O veganismo na Irlanda

Conversando com o Douglas sobre produtos veganos, me toquei o quão difícil é ser vegano no Brasil. Por só ter tido esta esperiência aqui, situações que imaginava ser cotidianas, são na verdade bem estressantes lá.

Não sei dizer se no Brasil as pessoas são menos alérgicas ou se na Europa os mercados são mais preocupados, mas é bem comum por aqui seções inteiras do mercado de comidas que não contém glúten ou não serem a base de leite e ovos. Por eles já terem essa preocupação, é bem comum já "emendarem" commodities veganos. Assim no mercado ao comprar um Cookie de chocolate dessa seção, você provavelmente vai comprar algo sem leite, glúten ou ovos.

A maioria das embalagens na Europa também dizem se o produto pode ser consumido por veganos ou vegetarianos, fazendo normalmente a distinção correta. Isso facilita muito as compras, evitando perder tempo lendo os ingredientes para descobrir isso.

O Douglas comentou como ele fazia seu próprio leite de coco pela dificuldade em achar este nos supermercados. Aqui não só achamos leite de coco, como de aveia, arroz e amêndoas. Até mesmo sorvete sem 'dairy products' é consideravelmente fácil de achar.

Sair num jantar romântico também não é tão complicado. Restaurantes comuns normalmente tem menus separados para veganos/alérgicos, ou deixam claro quais produtos não contém leite, ovos e/ou glúten. Restaurantes que realmente se importam, cozinham até a comida em panelas diferentes. Restaurantes veganos não são incomuns. A maioria com receitas diferentes ou então "imitando" restaurantes "comuns", como pizzaria, hamburgueria e por ai vai.

Eventos veganos pipocam, principalmente no verão. No último mês fui em um em Belfast e ano passado não consegui entrar num festival de comida vegano, porque os ingressos já haviam sido vendidos.

Marcas de produtos de beleza, como a Lush, são comuns e consideravelmente acessíveis. Fora a incontável quantidade de marcas de roupas e produtos de limpeza.

Nas festas da empresa, sempre há a versão vegana da comida, para que todos possam comer.

Se você quiser ir além, existe até alguns vinhos veganos. Descobrimos a existência deles na Escócia. Entre várias coisas, esse tipo de vinho não usa adubo animal.

Provavelmente a visão de uma pessoa no Brasil é que ser vegano é muito complicado e há a necessidade de se privar de comer fora, por exemplo, mas não na Europa. O continente descobriu que o veganismo é um ótimo mercado e tem investido nele. Produtos extremamente comerciais são encontrados em todos os lugares. Aqui você não é obrigado a fazer seu próprio leite de coco pela dificuldade em encontrá-los.