Lolita - Vladimir Nabokov

Nada como terminar o polêmico ano de 2016, lendo Lolita. O livro foi proibido no Reino Unido e na França, por ser "pornografia" e um dos "livros mais sujos já escritos". Mas assim que vou lançado nos EUA virou um dos livros mais populares da época, chegando a vender 300 mil cópias em menos de três semanas (naquela época só O Vento Levou tinha alcançado esse número). O livro é narrado por Humbert em primeira pessoa. Humbert descreve seu passado amoroso com Lolita, uma garota de 12 anos de idade.

Apesar da fama inicial no Reino Unido e França, o livro definitivamente não tem nada de pornográfico. Mas pode ser considerado um livro pesado pela temática. Para mim foi uma leitura difícil pela época do inglês e por conta de diversas expressões em francês.

A primeira parte do livro narra como era a vida de Humbert na infância e principalmente sobre seu primeiro amor de infância (importante para a história, pois ele diz ver Lolita um pouco como essa menina) e como ele conheceu a mãe de Lolita, se casou e como ela morreu (o que acabou dando a guarda da criança para ele).

A segunda parte do livro se foca no "romance" entre Humbert e Lolita. Como o livro é narrado por Humbert, não conhecemos a versão de Lolita sobre o que aconteceu, então não é possível saber se todos os detalhes são reais e como teriam acontecido. Tanto é verdade que só descobrimos como Humbert era violento com suas mulheres quando ele revela ao leitor como "mantinha sua ex-esposa na linha batendo nela" e como "não podia fazer o mesmo com sua atual esposa, por ter medo dela".

Deixando a versão de Lolita como secundária, o livro objetifica a menina, fazendo com que ela seja apenas um objeto sexual para Humbert (apesar da luta dele para dizer que estava apaixonado por ela).

O autor diversas vezes conversa com o leitor, pois o livro teria sido escrito por Humbert depois de todos os fatos. Dessa forma, Humbert diversas vezes "brinca" com o leitor e indaga se achávamos que a história iria para lado x ou y.

Apesar de Humbert ter planejado estuprar Lolita, ela teria "seduzido ele" na primeira noite, dado que "ela não era mais virgem". Mesmo ele tendo diversas vezes deixado claro no livro que a obrigava fazer sexo com ele em troca de presentes ou dinheiro e a assustava dizendo que se contasse para alguém ela iria virar uma órfã nas mãos do governo, Humbert tenta passar a ideia que tudo aquilo era amor. Que ele realmente a amava. Somente no final do livro ele deixa claro para ele mesmo que aquilo tudo foi um estupro quando se chama de estuprador.

É um clássico obrigatório da literatura estadunidense. Apesar desse ar de "proibido" o livro não descreve nada muito pesado e nem estou comparando com outros livros de nossa época. O livro realmente não entra em detalhes nenhum. O livro é sim pesado pela temática, principalmente pelo abuso de vulnerável ser algo consideravelmente comum ainda. Pelo que me dizem de Laranja Mecânica, Lolita é bem mais tranquilo de se ler do que ele. Então se você conseguiu ler todas as páginas de Laranja Mecânica (principalmente o começo do livro), vai conseguir encarar o livro do Vladimir.