Harry Potter and the philosopher's stone - audiobook

No intuito de aumentar a quantidade de livros que leio, resolvi trapacear um pouquinho. Passei a também ouvir audiobooks no tempo livre (vulgo: lavando a louça ou tomando banho).

Decidi "ler" dessa forma livros que eu tenho curiosidade de ler, mas que: ou já conheço a história ou a forma de literatura não me interessa tanto (aqui entram livros técnicos ou filosóficos e excluem livros de autores como Pessoa ou George Orwell). A série de livros Harry Potter se encaixam na primeira categoria. Já sei a história (ainda que o livro e filme divirjam) e de certa forma já li o primeiro livro e metade do segundo em português (na casa da minha ex-namorada).

Achei que o livro lido perderia boa parte da graça, mas me enganei. O audioble geralmente aloca atores para ler os livros o que torna a leitura mais ou menos como uma radionovela. Não é literatura per se, mas é muito bom. Principalmente se você está usando para aprimorar alguma língua que está aprendendo. No meu caso estava treinando o inglês.

E o Harry, Elias?!

Ah sim. O livro é muito bom, o livro em inglês é ótimo. Confesso que não achei o livro em português tudo isso. A literatura estava bem simplificada, bem para crianças mesmo. Enquanto que o inglês (talvez devido ao meu vocabulário), era bem mais "completo", digamos. O ritmo das palavras, a disposição das falas.

O primeiro livro é somente uma apresentação dos personagens, aparentemente nada muito importante ocorre. Ficamos sabendo o porque do Harry ser especial, conhecemos sua dupla de amigos (que se apaixonarão), seus professores, o que é ser um mago e "aquele que não podemos nominar". Acho que por isso falta aquele algo a mais que o George Martin sabe fazer muito bem, nada na história é importante para os próximos capítulos. Nenhum personagem foi altamente modificado por eventos ali, tudo foi apenas uma grande apresentação e com um final mamão com açúcar que justifica o livro ser infanto-juvenil.

Não que livros precisem de mortes ou qualquer outra coisa para serem adultos, porém fazer o personagem principal não só derrotar o inimigo, mas também ganhar a "copa da escola" foi um "viveram felizes para sempre" difícil de engolir.