GPL, o super-herói mau compreendido

Depois do VLC ter sido retirado da Apple App Store, começou a pipocar textos sobre os malefícios de se usar a GPL para licenciar seus softwares, mesmo que alguns só dêem uma puxadinha de orelha. Não vejo isso como errado, contanto que você esteja no lado "Open Source" da força.

No documentário Revolution OS, é citado que o movimento Free Software e Open Source tem uma pequena "desavença". Enquanto a primeira prega que todo software proprietário é um câncer na sociedade, o segundo acredita na convivência do software livre com o proprietário, quase um Yin-Yang.

Olhando o mundo da maneira da FSF, fica claro o motivo para optar pela GPL e não pela Apache License. Se todo software proprietário não ajuda o mundo a ser um lugar verdadeiramente melhor, por que permitir que as minhas linhas de código sejam usadas por eles?

Uma visão radical, que talvez prejudique inicialmente o seu software, mas que vai ajudar a tornar mais softwares livres. A liberdade não vem sem sacrificios.

A Apache License e outras licenças parecidas, permite que o software seja "mesclado" com software proprietário, porém isso pode ajudar com que códigos não-livres se fortaleçam e se você é realmente contra a omissão de informações, não vai se sentir nem um pouco feliz, não é mesmo?

Além disso, por se permitir "fechar" implementações do código, a Apache License não é considerada por muitos ativistas da FSF como uma licença livre, pois como algo que prega a liberdade pode no meio do caminho aprisionar o conhecimento? E o mais importante de tudo, é incompativel com a GPL.

Do lado da empresa, a ASL(Apache Software License) pode ajudar a empresa a ter uma plataforma boa de negócios, onde eles distribuem uma parte do código, mas fecham o "diferencial da empresa" para não possibilitar que alguma empresa rival use  seu código.

Então, a ASL parece ser muito mais viável, já que torna mais "simples" os negócios, mas será que vale a pena ganhar dinheiro e não poder ajudar seu vizinho?