É pessoal!

Ontem o Henrique Bastos, apresentou um webcast sobre os caminhos da carreira de programador. Ele comentou sobre todas as vertentes que podemos escolher, de ser freelance, CLT ou empreendedor. E o que mais me chamou atenção foi o slide em que ele dizia que tudo depende, pois tudo é pessoal.

No Rupy o Henrique Bastos também tinha levantado essa questão, no palco no final do evento, alguém perguntou sobre qual o caminho tomar. E o Henrique, sabiamente, citou que tinham palestrantes que eram funcionários públicos, outros tinham empresas e todos eram felizes!

Simplesmente por que cada pessoa tinha um valor que achava mais importante! E para quem quer levantar a questão do salário, será que o maior salário é tão importante assim? Será que no final o que queremos não é dinheiro e sim bens "intangíveis"? Uma viagem? Passar tempo com a família, ter um bom estilo de vida? Tudo isso está consideravelmente ligado com dinheiro e ao mesmo tempo não! Podemos viajar com um custo baixissimo se tivermos amigos nesses lugares que possam disponibilizar o sofá. Podemos ter uma estilo de vida ótimo, se passarmos a investir naquilo que gostamos, invés daquilo que as outras pessoas acham que deveriamos comprar e assim por diante. A vida não se resume a dinheiro. Ele não pode ser o único fator de escolha do seu estilo de vida!

Mas será que eu preciso pedir demissão agora para seguir o que eu acho melhor?

Alan Moore fala que vê seus objetivos como uma montanha que ele tem que alcançar. As vezes um caminho que vá muito para a direita em vez de ir direto para a montanha é válido, pois o apróxima(mesmo que lentamente) dela e por isso é válido pega-lo. Agora se o caminho só o distância, não vale a pena trilha-lo, certo? Por mais belo que ele seja.

Não deixa outras pessoas viverem a sua vida, vá e faça tudo aquilo que quer(pois há de ser tudo da lei.)

EDIT:

O Henrique Bastos, comentou lá no Facebook, uma ressalva para as pessoas não confundirem "saber o valor do dinheiro vs voto de pobreza":

"A única ressalva que eu gostaria de fazer é pra galera não confundir a idéia como um tipo de "voto de pobreza". O lance é entender que grana é um tipo de recurso, mas há um tabú nesse assunto.

Pra conseguir libertar a mente é importante "desproblematizar" a coisa e encarar de frente, aprendendo a lidar com isso, ou seja, aprendendo a vender, a controlar finanças, a reduzir custos, a entende quanto de grana o trabalho que vc faz gera pra empresa que vc trabalha, etc. Sabendo disso, vc consegue se organizar, considerando os demais recursos, para viver como deseja." - Henrique Bastos.