Descobrindo a antimatéria

Em uma certa noite um jovem cientista encarava a lareira de sua casa, provavelmente com um copo de whisky na mão e as escuridão de sua sala nas costas. Refletindo como reconciliar as ideias modernas da mecânica quântica com as ideias da relatividade, quando numa pequena explosão de ideias, veio a criar um novo conceito para o "operador de onda".

Paul Dirac reformulou este conceito da formula original da mecânica quântica como o "quadrado de algo mais simples". Sua formula ganhou o prêmio nobel de 1933, pois além de explicar de forma perfeita tanto a mecânica quântica, quanto a relatividade, adicionou um novo conceito a física. Enquanto que na formula anterior só era aceito números positivos, "o quadrado de algo mais simples" de Paul passou a aceitar matérias negativas, pois x² =4 aceita tanto x = 2 como x= -2.

Com isto, Dirac acabará de "criar" uma nova matéria, porém para explicar está "matéria negativa", propôs que ela se daria pelo fato de elétrons e prótons serem opostos uns aos outros. Porém, esta tese não era perfeita, pois a formula exigia que a massa de ambos fossem iguais. Paul acreditava que esta discrepância era causada por uma assimetria no eletromagnetismo.

Alguns tempo depois Carl D. Anderson identificou a existência de uma matéria chamada de pósitron que seria exatamente o oposto do elétron.

Quando questionado do porque o próprio Dirac não tinha previsto a existência desta partícula, ele respondeu: "Pura covardia".

Quantas vezes em nosso dia a dia não deixamos de prever/criar coisas fantásticas por "pura covardia"? As vezes temos ótimas sugestões para dar afim de otimizar as tarefas da nossa equipe, por que não expomos elas? A própria Bel diz em seu livro que as vezes devemos fazer certas "loucuras", como mandar um e-mail para alguém que possivelmente não responderá a ele.

Se não agirmos agora, alguém o fará e lamentaremos para sempre a nossa covardia.

[Fatos históricos retirados do livro "Incríveis passatempos matemáticos" de Ian Stewart]