Chris Hofmann e a verdadeira liberdade

Enquanto mais e mais empresas abrem seus código fontes a fim de obter ajuda de programadores  de "fora", ou até mesmo fazer "golpes" parecidos com o Open Core,  outras conseguem se manter há anos com o verdadeiro espírito livre.

A fundação Mozilla é uma delas.

No Intercon de 2010, Chris Hofmann deu um ótimo exemplo de como um ativista do software livre deve ser comportar. Enquanto o representante de outro navegador livre tratou de mostrar o quão bom era o seu produto mobile e como todos deveríamos usa-lo,  o diretor da mozilla se focou em como era a vida com "apenas" o internet explorer no mercado e o que aconteceu quando o Firefox saiu para brincar.

Com o monopólio do mercado de navegadores, a Microsoft destruia qualquer chance de padrões abertos, qualquer site tinha que ser feito ao menos duas vezes, uma para o IE e outra para o falecido Netscape. Esse ecossistema fechado, sufocante, matava toda a espécie de ideia. Liberdade? Não aqui.

Hoje, graças a uma revolução causada por uma certa raposa vermelha, as novas versões do internet explorer estão finalmente chegando perto de usar os padrões da W3C, certas coisas malucas que a Microsoft inventou que só funcionam em seu navegador estão sendo descontinuadas e como o Hofmann destacou, a MS desistiu até mesmo do Silverlight para aderir ao html5. Sim, um padrão livre!

Então, para o Hofmann, não importa de verdade se você está usando o internet explorer 9, o Chrome ou o Firefox, o que realmente importa é que a comunidade conquistou padrões livres e deve brigar para mante-los, pouco importando qual o navegador que os usuários estão utilizando.

É justamente por isso que flamewars são idiotas, não importa qual distro linux você usa, ou se você é um KDE, o que realmente importa é que os benefícios da liberdade cheguem a todos, até mesmo aqueles que amam o software proprietário. Padrões livres, hoje, amanhã e para sempre.